Acupunctura e Medicina Tradicional Chinesa

- do séc. V a.C. aos nossos dias -

A mais longa investigação clínica sistemática

em curso na História Humana

APAMTC 2000 - 2017

17 anos de presença activa dos seus associados

na regulamentação e qualificação das

Terapêuticas Não Convencionais

Quem somos

A Associação Profissional de Acupunctura e Medicina Tradicional Chinesa (APAMTC) nasceu em Lisboa no ano 2000, temos como principal objectivo defender e representar os interesses profissionais dos nossos associados nos aspectos morais, científicos, académicos, deontológicos, económicos e sociais.

(mais…)

O que fazemos

As profissões de Acupunctor e Especialista de MTC abrangem um vasto conjunto de competências que se aplicam nas 5 vertentes da MTC: a Acupunctura, a Fitoterapia Chinesa, a Massagem Tui Na, a Dietética Chinesa e o Chi Kung. (mais…)

MTC E ACUPUNCTURA – LEGISLAÇÃO

Incluindo a Acupunctura e a Medicina Tradicional Chinesa, a legislação portuguesa das Terapêuticas Não Convencionais é das mais avançadas e completas do mundo. Descubra-a aqui em toda a sua extensão. (mais…)

Deontologia e Prática Segura – Códigos da APAMTC

Na área da Saúde, a relação é uma forma de respeito e serviço, o gesto profissional é uma coreografia de rigor na busca da qualidade e da segurança. Consulte aqui o Código Deontológico e o Código de Prática Segura.

EM DESTAQUE – A utilização de luvas em Acupunctura-MTC

Análise de legislação e pareceres nacionais e internacionais realizada por Diana Pinheiro, Especialista de MTC e membro da Direcção da APAMTC

Após consulta de várias fontes nacionais e internacionais, pode-se concluir que: no exercício da Acupunctura, o risco de contaminação é baixo mas não é zero. O uso de luvas não é obrigatório, sendo o uso de luvas altamente recomendado nos casos em que se verifique ou se antecipe o extravasamento de sangue, e sempre quando, quer no profissional, quer no paciente haja afecções dermatológicas, feridas ou doenças infecto-contagiosas transmitidas e/ou desenvolvidas por via cutânea.

Segundo os diplomas publicados e aplicáveis no contexto dos profissionais das TNC, o Acupuntor e o Especialista de MTC devem: “Prestar cuidados de Acupuntura de elevada qualidade, garantindo sempre a segurança do cliente” – Portaria nº 207-F/2014 de 8 de Outubro – artigo 4º, ponto 3 alínea f). O mesmo é referido para os cuidados de MTC – Portaria nº 207-G/2014 de 8 de Outubro.

O Acupunctor e o Especialista de MTC devem nos seus “Gabinetes de consulta, sala de avaliação/ diagnóstico/tratamento, garantir a existência de um sistema de desinfeção de mãos, preferencialmente lavatório com torneira de comando não manual “- Portaria nº 182/2014 (ver anexo V).

Disponível na íntegra (pdf)

 

Dia 15 de Julho – Dia Municipal das Medicinas Naturais – Jardim da Estrela, Lisboa

Pelo terceiro ano consecutivo o Jardim da Estrela acolheu no dia 15 de Julho a Feira Municipal de Medicinas Naturais, iniciativa que pretende contribuir para o bem-estar e saúde de todos.

Organizada pela Câmara de Lisboa em parceria com a Associação Academia Hipócrates e o apoio de várias associações, esta ação procura divulgar as Terapêuticas Não Convencionais, bem como informar a população sobre as práticas deste setor.

O Chi Kung e a MTC estiveram presentes através de uma demonstração pela manhã e stands de várias Escolas.

Edição 2017 – veja a reportagem                             Edição 2016

 

MTC: Uma Medicina de excelência na Prevenção

Tratamento preventivo na Medicina Tradicional Chinesa e Educação para a Saúde

Faro, J., Fernandes, D., 2016

Os cidadãos e os responsáveis públicos começam a tomar consciência de que “prevenir a doença é melhor do que curar” pode ser bem mais do que um simples voto piedoso.

Políticas públicas adequadas, educação das populações para a saúde e responsabilidade individual informada são ferramentas com eficácia real, desde o alívio nos orçamentos da saúde até à melhoria da qualidade de vida de cada ser humano concreto.

É uma evidência histórica que os grandes avanços na esperança média de vida, desde o fim do século XIX, se devem sobretudo à generalização de medidas de saneamento público e de cuidados de higiene, bem como ao aumento da qualidade e quantidade da alimentação acessível às populações.

Os extraordinários avanços da medicina convencional, como as sulfamidas, os antibióticos ou os conhecimentos sobre genética, não foram até agora acompanhados de progressos na saúde pública comparáveis, do ponto de vista macrossocial, aos que resultaram das modernas alterações nas condições e estilo de vida das populações, apesar da extrema importância de cada caso individual que se resolve, independentemente da dimensão da sua expressão sociométrica.

A Medicina Tradicional Chinesa, pela sua parte, possui em si própria uma sabedoria milenar e um tesouro de comprovação experimental sobre os métodos de Prevenção da doença. Os profissionais desta área gozam de condições excepcionais para explicar aos seus pacientes as causas e os mecanismos das suas predisposições patológicas, com base nas teorias das MTC, bem como para estimular a sua prevenção, através de alterações concretas e facilmente compreensíveis no seu estilo de vida. É legítimo e viável para a MTC considerar que só atinge o sucesso completo quando o cidadão/paciente é capaz de tomar nas suas mãos as rédeas da sua própria saúde.

Ler o artigo na íntegra